3 de fev de 2014


Queridos, Eritreia precisa da nossa intercessão. Cumpra o "Ide" também através das suas intercessões! Que a graça do Eterno através do nosso clamor,  seja abundante sobre esta nação, sobre aqueles que estão pagando um alto preço por estar exercendo o chamado. 

Oremos pelo Eritreia

Todas as igrejas evangélicas estão fechadas desde uma lei em 2002. Mais de 2.800 cristãos estão na prisão, e seus familiares não têm notícias deles há meses e anos

A Igreja e a Perseguição Religiosa

A Igreja
O cristianismo chegou ao país em 34 d.C., através de um tesoureiro do reino de Sabá, mas foi difundido com mais eficiência e rapidez no século IV d.C. O cristianismo ortodoxo (Tewahdo) é o mais praticado pelos eritreus: outros grupos cristãos, como católicos e protestantes, só chegaram ao país após 1890 com o domínio italiano. Os cristãos são basicamente ortodoxos e quase inteiramente da etnia tigrínia. As igrejas evangélicas estão crescendo, mas são limitadas em recursos para treinamento e evangelismo.
O governo exige que os grupos religiosos se registrem, mas não aprova nenhum registro, desde 2002, além dos quatro principais grupos religiosos: a Igreja Ortodoxa da Eritreia, a Igreja (luterana) Evangélica da Eritreia, o Islã e a Igreja Católica Romana. Os demais grupos religiosos não têm permissão para se reunir ou atuar livremente no país e quando o fazem são perseguidos.
A perseguição
Os cristãos estão sofrendo a pior perseguição de toda a história da Eritreia.
A Constituição de 1997 prevê liberdade religiosa, no entanto, ela ainda não foi implementada. Assim, não é permitida a distribuição de Bíblias no Exército e nas escolas. Desde setembro de 2001, foi suspensa definitivamente toda impressão de materiais religiosos (papéis e livros devocionais ou particulares etc.).
Desde maio de 2002, todas as igrejas evangélicas estão fechadas por ordem do governo e precisam de autorização para funcionar. A prática de prender aqueles que se reúnem ou exercem qualquer outra atividade religiosa sem a autorização do governo já causou a prisão de mais de dois mil cristãos. Eles são mantidos em condições desumanas, presos em contêineres de metal ou em celas subterrâneas.
Os evangélicos não têm personalidade jurídica e, até agora, os registros para suas igrejas não foram concedidos. Atualmente, a igreja evangélica reúne-se ilegalmente nas casas. O governo controla as escolas que eram cristãs e reluta em registrar outras. Em 2002, o governo do presidente Isaías Afworki fechou as 12 igrejas protestantes independentes da Eritreia, proibindo suas congregações de se reunir até mesmo em casas. Desde então, pastores, soldados, mulheres, adolescentes, crianças e idosos foram presos quando surpreendidos em uma reunião, lendo a Bíblia e orando em grupos. O estado reconhece somente quatro instituições religiosas “históricas” no país, a saber: o islamismo e as igrejas ortodoxa, católica e luterana evangélica.
Dois líderes-chave da Igreja do Evangelho Pleno, uma das maiores denominações pentecostais da Eritreia, foram presos às seis horas da manhã de 23 de maio de 2004, em suas casas, em Asmara. Durante as detenções, os policiais confiscaram as chaves dos gabinetes pastorais, ameaçando verbalmente suas esposas. Haile Naizgi, que exerce o cargo de  presidente da Igreja do Evangelho Pleno e o Dr. Kifle Gebremeskel, como presidente da Aliança Evangélica na Eritreia, estão presos em Asmara sem nenhum contato com suas famílias ou visitantes.
Na mesma época, uma cantora cristã eritreia também foi presa, em uma operação do Ministério da Defesa, apesar de ter cumprido seu serviço militar e nacional obrigatório. Helen Berhane era membro da Igreja Rema e havia lançado um CD que se tornara popular entre os jovens. Ela não atendeu às exigências: assinar um documento renegando sua fé em Cristo, prometendo não cantar mais, não compartilhar sua fé em Cristo e não realizar quaisquer atividades cristãs na Eritreia. Por isso, Helen ficou presa até o início de 2007. Ela saiu do país clandestinamente naquele ano e conseguiu asilo na Dinamarca, onde mora com sua filha.

Há mais de uma década, a Eritreia declarou que todos os grupos cristãos que não pertencessem às igrejas oficiais do governo não podiam funcionar de maneira nenhuma. Até o momento, o governo aprisionou milhares de cristãos. Muitos deles ainda permanecem sob custódia, sem nunca terem ido a julgamento para definir sua situação. Estima-se que 16 pessoas morreram este ano nas prisões, devido a doenças, tortura e desnutrição.

Algumas informações:


Intitulada oficialmente de Estado da Eritreia, este pais fica em uma região conhecida como Chifre da África. Este país faz fronteira com outros três, sendo eles a Etiópia (ao sul), o Sudão (ao oeste) e Djibuti (ao sudeste). Além disso, possui contatos diretos com o Lémen e a Arábia Saudita. O país possui saída para o mar, sendo banhado pelo Mar Vermelho.
Não se trata de um país de grandes extensões, com aproximadamente 118.000 km² de tamanho e mais ou menos 5 milhões de habitantes. Entretanto apesar de não ser muito populosa a Eritreia ocupa uma posição, geográfica, de suma importância, visto que se localiza entre o oceano Índico e o Canal de Suez. A capital da Eritréia se chama Asmara. 
Criado pela Itália em 1° de janeiro do ano de 1890, a Eritreia continuou sendo ocupada por este país até o ano de 1941. Mais tarde, após a retirada do domínio italiano, a Eritreia passou então a ser dominada pelos britânicos, de 1941 até o ano de 1952. Só em 1952 é que a Organização das Nações Unidas (ONU), reconheceu a sua autonomia. A partir de então a Eritreia se filiou a Etiópia, a independência do país viria só mais tarde, no ano de 1993, no dia 24 de março.
Um marco histórico neste país foi à guerra dos 30 anos, onde por mais de três décadas a Eritreia esteve em combate com a Etiópia. O país ficou em ruínas. Com mais de 100 mil mortos e aproximadamente 350 mil refugiados. A luta era por áreas de fronteira. No ano de 200 finalmente um acordo de paz fora assinado entre os dois países.
Atualmente o grande problema enfrentado pelo país é a irregularidade das chuvas e as sequelas que ainda ficaram da guerra. Boa parte da população, cerca de 80%, vive da agricultura de subsistência. Na capital, Asmara, há algumas indústrias, voltadas para a produção de alimentos, artigos de couro e fabricação têxtil. Por causa do baixo índice de alfabetismo, há ausência de mão de obra qualificada. Assim, boa parte da população vive bem abaixo da linha de pobreza. 
DADOS PRINCIPAIS:
Nome Oficial: República da Eritréia
Capital de Eritréia: Asmará
Área: 117.600 km² (100º maior)
População: 4.401.000 (2005)
Idiomas Oficiais: inglês, árabe, tigrina, tigre, saho, afar, edareb, cunama, nara.

Fontes: Internet/Site da Lagoinha